terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Crise dos 28!


Eu confesso, estou em crise. Minha primeira crise foi aos 10 anos quando nasceu a pedra do meu peito. Ele demorou um pouco mais pra crescer de fato. Mas ouvir os adultos dizerem que “ela ta ficando mocinha, que linda” toda vez que olhavam pra mim, me torturava. Eu não queria ficar adolescente. Muito menos adulta. Comecei a usar blusões pq me recusava a usar sutien. Enquanto todas as meninas da minha idade queriam ser mocinhas, eu me deprimia em pensar que iria crescer. Eu queria ser criança pra sempre. Acho que foi o primeiro sinal da minha síndrome de Peter Pan. Aos 13 a crise veio mais intensa. Fiquei menstruada pela primeira vez. Tentei esconder de minha mãe por algum tempo, mas logo que minha irmã descobriu, foi correndo contar. Agora tudo que eu fazia era motivo pra ouvir “você não é mais criança…” mas na hora de me deixar sair sozinha ou tomar minhas próprias decisões, é claro, ainda era muito nova…isso me revoltava. Então eu não era mais criança pq fiquei menstruada? Pois só larguei a Barbie aos 14 (para os outros). Por livre e espontânea pressão é claro. Eu era a única das minhas amigas que ainda se interessava por bonecas. Brinquei escondido até os 15. Que foi quando entrei em crise de novo. Nessa época eu tinha crises com frequência. Não é a toa que fiz analise quase que minha adolescência inteira. Eu tinha muita crise de identidade. Já fui tudo: patricinha (por pouco tempo é claro); rockeira; reggueira; feshion…uma verdadeira metamorfose ambulante. Tudo dependia com quem eu andava. Passei a adolescência inteira achando que deveria ser igual a todo mundo. Afinal, sempre ouvi as pessoas dizerem que eu era esquisita. Tudo comigo era diferente. Mas quando fui ficando mais velha e depois da minha analise, é claro, percebi que eu não precisava ser igual a ninguém. Podia ser eu mesma. Mas quem era eu? Foi essa a crise dos 20. O que de fato eu gostava? O que eu queria? Crise existencial. Saindo da dos 20 fui direto pra crise dos 21: CID (crise de identidade definida – inventei isso agora, tentei buscar um nome e essa silga caiu como uma luva! Rs). Acabei descobrindo quem eu era, o que eu gostava e o que eu queria. O problema era que agora eu tinha uma opinião formada sobre tudo. Qualquer que fosse o assunto tinha a resposta na ponta da língua. Achava que sabia tudo. Mas mal sabia eu que a próxima crise também estava perto. Foi aos 25. Acho que é quando a gente vira adulto de verdade. Quando nossos pais não toleram mais certas atitudes (na verdade, toleram, mas dizem que não toleram). Mudei completamente de opinião. Conheci o outro lado da moeda. Morei fora, conheci pessoas diferentes…e vi que o mundo era muito maior que o meu. À medida que o tempo vai passando, mais a gente tem certeza do que gosta ou não. Mais a vida nos vicia em atitudes que julgamos ser certo. E quanto mais vivemos, mais sabemos que não sabemos nada. Eis mais uma crise: 28. Imaginem quando eu fizer 30…essa é a crise que eu mais espero. Mas vou deixar pra sofrer por ela quando a hora chegar..enquanto isso vou curtindo a crise do momento. Se na dos 25 eu achava que sabia tudo, agora eu acho que não sei nada. E agora? Um psicólogo por favor! Parem o mundo que eu quero descer! Mas se eu não sei nada depois de viver tanto, de que adiantou viver até agora? Ok, não vivi foi nada ainda. E só vou saber disso lá pra crise dos 40…enquanto isso, não sei. E agora? Tenho a sensação de que não vivi nada. É como se eu tivesse passado 28 anos dormindo e só tivesse acordado agora. O que eu andei fazendo todos esses anos? É uma agonia de saber o próximo capítulo, uma vontade que não passa e um medo de não faço ideia do que. Mas pra que serve nossas experiencias senão pra nos ajudar a não cometer os mesmos erros do passado? Quando somos adolescentes sempre ouvimos os mais velhos dizerem que “já passei por isso..vc vai ver que isso foi uma bobagem..” e vemos realmente. Só esqueceram de nos contar que quando estamos envolvidos nos sentimentos de nada vale nossa experiencia. Esqueceram de nos contar que a crise não vai acabar nunca. Só vai dar um tempo. Esqueceram de nos dizer que nunca estaremos satisfeitos e sempre vamos reclamar por faltar algo que não temos. Mas é só pq não temos. Pq se tivéssemos, não daríamos o menor valor…então pra que diabos procuramos uma felicidade plena que nunca vai chegar? A verdade é que o que já está presente não pode vir de outro lugar. A verdade é que nossa procura por si só já é o que queremos achar. O que nos faz feliz não é o que vamos ganhar. Mas o fato de procurar. O que queremos é querer. E no dia que tivermos tudo, estaremos infelizes. Vamos procurar alguma coisa pra buscar. Eu não sei o que vou procurar agora. Mas estou procurando procurar. E se buscar é ser feliz, ok. Estou feliz. Eu sou feliz. Não me canso de procurar o nunca achar…


Eu sei que às vésperas do carnaval não é um bom momento pra se ter crise. Porem, ela não escolhe data, hora e nem lugar pra chegar. Ela simplesmente chega. E chega chegando. Acho que a diferença dessa crise pras outras, é que dessa vez eu sei que ela vai sempre voltar. Porque antes a vontade de ser bem resolvida era tanta, que eu sofria só por estar sofrendo. Agora pelo menos eu descobri que o barato da vida é mesmo sofrer. Agora eu entendo porque pessoas que têm tudo reclamam de bobagens. Porque não podem reclamar de nada. E se não reclamar, não é feliz. Se não faltar alguma coisa pra ser buscada, a vida não tem graça.


Mas pra que fazer sentido? Quem faz sentido é soldado. Carnaval ou não, crise ou não, o relógio não pára e a vida continua.


Até a próxima! (crise!)
Boo!

P.S.: Colocar fotos minhas pra ilustrar os posts faz parte da crise! Quero me olhar toda vez que eu falar sobre mim. Quem sabe assim eu me intimido comigo mesma e resolva fazer uma revolução...

9 comentários:

Jully Barreto disse...

Ahhhhhhhhhhhh q linda....
eu poderia enumerar as minhas crises por mês HUAHUAHUAHUAHAUHAUHAUA ou por semana... Affff como eh complicado essa coisa de viver né?
Massss enfim... realmente nos perguntarmos se queremos parar, vamos dizer que não, então vamo seguindo.
Eu ameiiiiiiiiiiii o post com sua foto... ce ta ainda mais linda!!! Todaaaaaaaaaaaaaa BOA como dizem ae seus conterrâneos rsrsrs


PS. Meu blog tem novidades, depois passa por la!

Beijocas

Rebecca disse...

Me reconheci do início ao meio do post, tive crise até os 19 (ano passado), quando sai da idade em que todos me achavam a pequenininha da faculdade e virei mulher.. nem gostei, confesso.
Já quis ser várias pessoas, mas no final voltei a ser eu mesma, sem nem saber quem eu era realmente.

Vc não deveria passar por essas crises.. é autêntica, tem personalidade, brilha sozinha e muitas pessoas queriam estar ao seu lado ou até mesmo ser vc.

Foto: Sorine, pinça e dois celulares.. tá cercada de coisas utéis! kkkkkkk

Sâmia disse...

Mais uma vez você disse tudo. Não sou de ter crises, na verdade, devo viver numa, sem nem saber. Quando a gente vai crescendo, os pais, os tios, todos falam, quando nascem os seios de verdade, "olha que lindinho", quando menstruamos, "tá virando moçinha", já não somos crianças pra várias coisas, mas quando é pra gente sair sozinha, tomar decisões, não temos idade ainda. Isso acontece comigo até hoje aos 16 anos. (rs) Você disse uam coisa certa, acho que o que o buscamos é buscar mesmo, porque a gente sempre quer algo,às vezes coisas materias, como um celular novo...quando ganhamos é aquela euforia, mas, depois, a gente nem liga mais. É assim que acontece, pelo menos comigo.

Beeeijão Boo.

Bê disse...

as crises dão um toque especial...

acho q eh uma maneira de Deus falar
" hey, ta td mt igual ai, renove seus conceitos.."
sei la.. pode se r qeu esteja enganada, ou eh so uma forma mt da bonitinha de ver as coisas...

nada q eu fale vai ajudar por completo, eu n vou conseguir te der o remedio pra isso, mt menos a solução pra tds os seus problemas...

massssss... posso te garantir q n importa o qnt demore, sempre passa. vc sabe...

entao, ja q n tem jeito, tente tirar algum proveito disso.
nada na nossa vida acontece por um acaso, e vc de alguma maneira, sempre pode aprendder um pouco mais com as crises da vida...

e no final de td, esse aprendizado se transformará em mais um post FODA aqui... q eu vou AMAR ler.

beijos, se cuide!!!

ps. se encontrar com Saulinho [eva], diga q mandei um beijo! hahah .. lembranças a CL! :P rsrs

Anônimo disse...

BOOnita (quem te chama assim no msn?,

nossa como vc é linda e escreve bem! que linda em crise! que menina iluminada! vc consegue ser boa e linda até em crise.

Te admiro cada vez mais.

;)

Renato disse...

Dicas de leitura (eu sei que você não é luterana):

http://www.montfort.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=doutrina&artigo=20081117211033&lang=bra

Serve como alerta!

Esse artigo aqui também é muito bom!

http://advhaereses.blogspot.com/2010/01/luteranos-pais-do-ocultismo-rosacruz.html

£uh Oliveira disse...

Me vi nesse começo... como é duro crescer!
Quanto a crises, quem nunca teve uma, que atire a 1° pedra!! Rsrs...
Vivemos em constantes crises, talvez sejam elas que nos fazem crescer,sei lá. Aproveitar, fazer aquilo que sempre quiz e nunca teve coragem, curtir, viajar, conhecer novas pessoas e culturas, ficar ao lado de uma pessoa amada... São coisas fazer, quando a crise aparece,hehe... ^^


No mais, seja feliz! ;*

Raphaelen Bittencourt disse...

Ownn! doidera ein! Queria ser pra sempre criança tbm! Mas até dessa fase já passei, eita!! Parece que foi ontem que eu brincava de bonecas... é bem tenso saber que a gente fica velha e se torna criança d enovo, mas não fisicamente e sim mentalmente... entro em crises quando penso nisso. Só de saber que o ciclo da vida é bem interessante, mas sempre chega num final pra todos nós. Queria vim aqui antes pra te desejar feliz carnaval mas nao pude :( espero que esteja aproveitando mto, e arrase aí que vc merece!

mando um beeijo !
saudades

Ellen disse...

Psicóloga de plantão!
É bom avisar antes: não estou ilesa às crises.

:*